sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Ensino artístico alargado

«Apenas 17 mil alunos têm acesso ao Ensino Artístico Especializado, pelo que a reforma deste sector vai passar pela reorganização da oferta de cursos e sua dispersão por uma rede de escolas mais alargada. Em Março passado, um relatório defendia a reestruturação do Ensino Artístico, recomendando o fim do regime supletivo.»
Para reflectir...
Ensino artístico alargado (2008, 31 de Janeiro). Jornal de Notícias, p. 11.

2 comentários:

nandacml disse...

Se esta noticia é verdadeira, contradiz o que se ouviu esta semana de que as escolas do ensino artistico vão terminar passando pretendendo o governo passar para o ensino integrado

AntonioPacheco disse...

Afinal de contas o que é que se ouviu esta semana? Não ouvi nada...
Quanto ao ensino integrado: quando é que o governo vai fazer isso? Provavelmente nao é tão cedo tendo em conta as questões financeiras que tal situação implica. Por outro lado, esta questão «integrado» diz respeito às escolas públicas, ou seja,Conservatórios Nacionais,o que quer dizer que o ensino particular e cooperativo continuará a ser dono de si. Se nós entendermos que o regime articulado é o mais ajustado à nossa realidade ninguém (governo) se oporá. Importante é saber que se sente necessidade de alargar a oferta de cursos de ensino artístico (coisa que eu tenho vindo a considerar) e que é necessário aumentar a rede de escolas.Ora, isto implica, não só o aparecimento de novas escolas mas também a afirmação e consolidação das existentes. Esta afirmação/consolidação será mais forte quanto mais enraizada estiver a escola na sua comunidade, mais tradutora da sua realidade socio-cultural e estética, pois é para ela que,efectivamente, se trabalha. Mãos à obra!!!